COMDICA decide manter resultado da eleição para o Conselho Tutelar de Palmares do Sul

Na segunda-feira, 25 de novembro, através da presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (COMDICA), Margarida Coimbra Lucas, foi divulgado a decisão de ser mantido o resultado das eleições para o Conselho Tutelar de Palmares do Sul, ocorrida em 6 de outubro. O fato ocorreu após uma polêmica envolvendo diferença de votos na urna do distrito de Granja Vargas.

A decisão foi de manter o resultado obtido no dia do escrutínio, tendo em vista que após a contagem foi repetido a todos os candidatos, e demais presentes, em alto e bom som; inclusive com os cálculos sendo feitos por alguns presentes após a divulgação das informações urna a urna; na qual todos concordaram com o resultado final no ato. Ainda assim, o prazo de impugnação e de recurso da eleição foi de 7 de outubro a 20 de outubro, na qual dentro deste período não houve nenhum recurso contra o resultado final.

Na tribuna da Câmara de Vereadores, a presidente explanou sobre a situação: “No dia 25 de outubro, após encerrado todos os prazos de recursos que os candidatos poderiam entrar, em sala fechada, eu e a Cidronia Araújo, do conselho de direito, estávamos fazendo o ofício para encaminhar à promotora, quando ao verificar a planilha de Granja Vargas percebemos uma discordância entre o número de cidadãos que haviam votado e o número de votos de cada candidato. Ficamos atônitas, pois havia uma diferença de 16 votos. Fomos ao Ministério Público, que nos informou que a eleição era de responsabilidade total do COMDICA. Assim, foi reunida a Comissão Técnica, e como não havia mais nenhum recurso a ser interposto, teve-se a ideia de recontar os votos, onde constatou-se que, dentre os demais votos que nada alterariam, haviam dois votos a mais para a candidata Dalva, o que a colocaria em empate com o Vanderlei; e pela lei, devido à idade, ela assumiria. Fomos chamados pela promotora e orientados a tomar uma decisão. Digo que não houve violação, desrespeito, nem maldade; em hipótese alguma algo foi alterado e o Conselho é totalmente idôneo. Após um parecer técnico, decidimos que a eleição ficará como está; os candidatos foram dados como eleitos no dia e fico tranquila com a decisão. Esperamos que o Ministério Público acate a decisão”, finalizou Margarida Coimbra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *